Gestão Délio Lins da OAB DF contrata empresa com fraude em eleições

 Entre as condenações, está o não cumprimento de decisão judicial que determinava exclusão de registros de votos irregulares e ausência de transparência

As eleições da seccional da OAB do Distrito Federal deste ano serão, pela primeira vez, eletrônicas e a falta de transparência já é a marca mais relevante do processo eleitoral. 


Há pouco mais de 40 dias do pleito, os pré-candidatos que se colocaram para a disputa não foram oficialmente informados sobre qual é a empresa que será contratada e nem foram convidados a enviar auditores. Mas souberam, pela imprensa, que a SCYTL Soluções de Segurança e Voto Eletrônico LTDA, foi a empresa escolhida e isso só reforça as desconfianças em todo do processo eletrônico. 


A atual gestão da OAB-DF não informou quais foram os critérios definidos para a escolha da empresa, qual o custo e nem como será o processo de auditoria. O Movimento Respeito é a Ordem, inclusive, havia requerido informações da OAB-DF, mas obteve apenas a informação de que o processo de contratação estava em andamento. 


Agora, se sabe que a empresa escolhida sofreu, em 2017, uma intervenção judicial por descumprir decisões judiciais referente à Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. A empresa deveria ter descartado mais de 10 mil  votos registrados irregularmente, oferecer chaves de segurança para que a auditoria pudesse ser realizada e não deu acesso ao processo de contratação. 


Mas as suspeitas sobre a empresa não param por aí. Em 2014, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo precisou divulgar uma nota informando que a SCYTL disponibilizaria o resultado após auditoria e que estaria disponível para conferência dos interessados. 


Também em 2017, a SCYTL realizou a eleição do Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia e foram inúmeras as denúncias contra a empresa. Vários técnicos receberam a senha provisória e não puderam substituir pela definitiva, além de relatarem instabilidades no site e falta de canais de comunicação disponíveis para fazer as críticas. 


“As eleições da OAB-DF têm cerca de 40 mil participantes em potencial e definem coisas relevantes para a advocacia e para a sociedade. É inegociável que a segurança do processo seja completamente resguardada. Precisamos que as eleições sejam feitas sob a égide da transparência. A atual gestão precisa explicar o porquê de ter escolhido essa empresa com tantos maus antecedentes”, exige Thais Riedel.


Postar um comentário

0 Comentários