Adote uma Praça completa 2 anos com 92 pedidos de adoção



Programa já recebeu em investimentos privados cerca de R$ 30 milhões
 

O Adote Uma Praça completa 2 anos hoje com muita história para contar. São 24 meses de muito trabalho junto às Regiões Administrativas, empresários e a população. Segundo o Secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade, o objetivo do programa é incentivar o trabalho em conjunto com pessoas físicas ou empresas que tenham interesse em adotar áreas públicas por um período determinado.

"Desde a criação do programa, com orientação e apoio do governador Ibaneis Rocha, conseguimos fomentar o desenvolvimento, gerando, além das benfeitorias, emprego e renda. Esse é o objetivo, chegar em todos os lugares de nossa cidade", explica Andrade.

O Adote uma Praça foi oficializado por meio do Decreto nº 39.690, que regulamenta a Lei nº 448, de 19 de maio de 1993, referente à adoção de praças, jardins públicos e balões rodoviários, por entidades e empresas.

Em dois anos, já foram entregues 29 benfeitorias, o programa está presente em 19 Regiões Administrativas (RA's) e já foram feitos 92 pedidos de adoção. Hoje, estão em andamento 15 projetos,  36 solicitações de adoções em análise e os investimentos privados chegam a R$ 30 milhões..

Com o Adote, o Governo do Distrito Federal firma parcerias com empresários e moradores para a recuperação e manutenção de praças, jardins, balões rodoviários, estacionamentos, canteiros/jardins, pontos turísticos, monumentos, parques infantis, pontos de encontro comunitário, ou seja, qualquer espaço público de uso livre da comunidade.

"É um trabalho conjunto com as RA's, por isso estamos sempre conversando com os administradores para que possamos chegar às 33 cidades do Distrito Federal", comentou Roberto Andrade".

É a partir das Regiões Administrativas que a comunidade, o cidadão individualmente, ou uma empresa dá o primeiro passo para adotar um espaço público. Essa adoção vem da necessidade dos moradores de melhorar o local em que vivem.

As RA's que apresentaram mais pedidos de adoção, nesses 24 meses, foram: Plano Piloto, com 24 solicitações; Gama, com 13; Jardim Botânico, com 10 e Guará com 8.

Segundo a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, essas parcerias entre o público e o privado são um estimulo à realização de benfeitorias que beneficiam toda a coletividade. "O Adote uma Praça é um instrumento muito simpático e interessante para aproximar a população, o empresariado e a administração pública na melhoria de espaços, recuperação de áreas degradadas e construção de Pontos de Encontro e Convivência Comunitários".

"O Adote chegou em um momento importante aqui no Gama. E conseguimos grandes parcerias. É um programa que surge do interesse de um particular, um cidadão ou uma empresa, que são também os próprios beneficiários das melhorias", comentou a Administradora do Gama, Joseane Feitosa.

Outra região que também comemora os resultados alcançados com o Adote é a do Sudoeste/Octogonal. "O programa simplificou, agilizou e, com isso, estimulou as parcerias entre os empresários e moradores com o GDF. Aqui na nossa região, em que parceria é a tônica da relação da administração com a sociedade, o programa irá proporcionar melhorias em vários equipamentos públicos', explicou a Administradora Tereza Canal Lamb."

Para o administrador de Ceilândia, Marcelo Piauí, a iniciativa é importante para desenvolver os espaços de convivência e lazer da região. "Ceilândia possui diversas praças abandonadas, e já estamos mudando essa realidade. Finalizamos, em parceria com o projeto Ruas, a revitalização da Praça do Cidadão, que é um símbolo para todos os ceilandenses. Nosso intuito é contemplar a Praça dos Eucaliptos e outras mais", ressaltou.

 

Parcerias

A visibilidade do Adote Uma Praça está crescendo no DF. O programa permitiu a concretização de parcerias importantes. Vários empresários e moradores têm procurado as RA's e também muitas vezes a Sepe para adotar os mais variados equipamentos públicos.

"Já foram adotadas rotatórias, jardins, becos, praças, parquinhos e até uma região inteira foi revitalizada pelo programa, como é o caso do Setor Hospitalar Sul. E também temos agora um projeto gigantesco que é a revitalização do Setor Comercial Sul, pela CNI (Confederação Nacional da Indústria)", informa o secretário.

A satisfação dos adotantes e da população está por todos os cantos da capital federal.

"Construir um estacionamento para dar mais conforto aos nossos pacientes e familiares era um sonho antigo. Com o projeto, conseguimos viabilizar a obra, sem custo para o governo, nem para os pacientes". O comentário é da diretora geral do Hospital Brasília, Regina Célia Duarte, primeiro adotante do programa.

Regina Célia acredita que formar parcerias é o melhor caminho na gestão, seja pública ou privada. "O projeto Adote Uma Praça é o melhor exemplo do provérbio que diz que 'se quer ir rápido, vá sozinho, mas se quiser chegar mais longe, vá acompanhado'.

A mãe de Luísa, 13 anos, que estuda na escola Moara, na Asa Norte, Fernanda Rosa, acreditou que poderia melhorar a quadra que fica ao lado do colégio e que era usada por toda a comunidade, inclusive por trabalhadores das oficinas da redondeza. Fernanda e outras mães se reuniram e descobriram o Adote Uma Praça.

"Nós vimos que o GDF não parou durante a pandemia. A cidade toda está em obras e isso nos inspirou a acreditar que nós também conseguiríamos. O processo de adoção não parou e nós conseguimos. Tenho certeza de que a quadra vai ficar excelente e só temos a agradecer todo o esforço da comunidade e também do Governo", comemora.

O mesmo aconteceu com Nilton Mourão. O amor pela cidade onde mora e mantém seus negócios levou o empresário a adotar um espaço poliesportivo da Quadra 21 do Paranoá e entregá-lo, totalmente revitalizada, à população.

Como mora na rua em frente à praça, decidiu aderir ao programa coordenado pela Sepe. "Nós quisemos fazer um espaço diferenciado. Mudamos a calçada e transformamos o piso da quadra".

 

Como participar

O programa Adote uma Praça é desenvolvido com a participação espontânea de pessoas físicas ou jurídicas, interessadas em manter e organizar locais públicos por meio de projeto próprio ou de iniciativa do Estado.

"Temos que estar cientes de que o GDF faz, mas não faz sozinho. A comunidade deve ajudar, deve cuidar e zelar pelos espaços públicos. É possível fazer acontecer, e esse projeto faz acontecer!", celebrou o secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade.

A pessoa física ou jurídica que firmar o termo de cooperação poderá instalar placas com mensagens indicativas informando ser adotante. O espaço ficará recuperado para uso e integração dos moradores.

A Sepe e as Regiões Administrativas estão sempre prontas para receber novos parceiros, sejam grandes, médias ou pequenas empresas, ou a comunidade. Se quiser adotar algum espaço, entre em contato com a administração da sua cidade ou mande um e-mail para sepe.gab@buriti.df.gov.br

Postar um comentário

0 Comentários