Eleições 2020: saiba como montar a melhor estratégia de comunicação com o WhatsApp

 


Confira como o WhatsApp pode ajudar você a criar e manter uma estratégia de comunicação efetiva com o eleitor nas Eleições 2020


Criar uma estratégia de comunicação eficiente no WhatsApp é o caminho mais efetivo para falar diretamente com o eleitor em tempos de pandemia. Nestas Eleições 2020, a comunicação digital deixou de ser um adicional à campanha e passou a ser vista como estratégia primordial nesse processo.

Muitos, pela facilidade, acabam criando grupos para incluir os eleitores e entendem que é o melhor a ser feito. Mas você já conseguiu ler todas as mensagens do grupo da família, por exemplo? Não dá, as mensagens ficam perdidas e a comunicação deixa de ser feita, ou seja, as mensagens não chegam a todos os membros do grupo. Sem contar que você não fala em um grupo diretamente para as pessoas, a comunicação é geral, para todos.

Mas, na política, o eleitor precisa se sentir prestigiado pelo candidato. A forma mais efetiva de usar o WhatsApp na campanha é por meio da criação e gestão de listas de transmissão. Cada lista suporta até 256 contados e para participar as pessoas precisam salvar seu número e só assim vão receber as mensagens. O diferencial das listas é que o contato é feito de forma direta com o eleitor, ou seja, a mensagem não ficará perdida num grupo com centenas de mensagens.

É importante cuidar bem do cadastro para não se perder na administração dessas informações. Uma sugestão é nomear o contato com a seguinte estrutura: 001-Gustavo Souza – Setor Planalto – Sede (Número de identificação, nome da pessoa, bairro onde mora e área localização). Assim, você consegue garantir que cada contato esteja em apenas uma lista e também pode filtrar fácil todos os contatos por bairro e localização.

Após criar as listas, nada de enviar bom dia ou boa noite. Você deve usar esse canal para enviar informações relevantes para o seu eleitor. Um convite para uma reunião, um chamado para uma live, um card com suas propostas e até mesmo perguntas para saber o que o eleitor pensa sobre determinado assunto.
Boas práticas para o uso do WhatApp nas Eleições 2020

Outra informação que você precisa saber é que a maioria dos celulares tem pouca memória de armazenamento e, por isso, nem pense em enviar vídeos com mais de 5 Mb para as listas. Além de encher a memória do celular, isso pode motivar vários pedidos de descadastramento das listas. 

Uma solução é enviar os links dos vídeos publicados nas suas redes sociais, assim a pessoa vai ver o vídeo sem precisar fazer o download do arquivo. Para essa parte, o Youtube é o canal mais indicado. Instagram e Facebook podem não atingir todos os seus eleitores, muitos não usam redes sociais, mas usam o WhatsApp. O aplicativo do Youtube já instalado nos celulares e todos vão visualizar o vídeo certamente.

Agora que você já conhece a melhor estratégica, está na hora de começar a cadastrar seus eleitores nas listas de transmissão. Faça um card para divulgar seu número e pedir a participação das pessoas. Assim, você conseguirá cadastrar muitas pessoas e ter um excelente canal aberto de comunicação com os eleitores da sua cidade.

Mas atenção! Antes de colocar em prática essa dica, assegure-se de oferecer um canal para que o eleitor cadastre o seu telefone espontaneamente e autorize o envio de suas mensagens, com o objetivo de não configurar uma prática abusiva e sua campanha não ter de responder judicialmente pelo uso indevido de dados.
Disparo em massa e uso de robôs

O uso de disparo de mensagens em massa e de robôs para automatizar as interações no aplicativo de mensagens foi proibido pela Justiça Eleitoral. Da mesma forma, a compra de listas de contatos ou utilização de listas criadas para outros fins, também não são permitidas. A medida visa impedir interferência no processo eleitoral, com abuso de poder econômico, e também a transmissão de fake news.

Os candidatos podem criar as próprias listas, com consentimentos do eleitor. As mensagens só podem ser enviadas pelo próprio aplicativo no celular, de forma manual, e todos os contatos devem aceitar receber as mensagens. O uso das listas de transmissão já impede o envio sem autorização do usuário. Isso porque, para receber mensagens das listas de transmissão, o eleitor precisa salvar o número do telefone do candidato na agenda.

A proibição foi publicada em novembro de 2019, por meio da Resolução nº 23.610/2019, O art. 34 deixa claro que a prática está proibida. Os candidatos que realizarem os disparo em massa podem ser multados e, inclusive, ter o registro de candidatura cassado. O TSE lançou um canal direito para denúncias. Quem receber mensagens de candidatos e não foi consultado antes sobre a permissão, pode denunciar neste link.

Uso do WhatsApp no Brasil
O WhatsApp está instalado em 99% dos smartphone no Brasil, e 95% dessas pessoas usam o aplicativo de mensagem todo dia. Outros dados que chamam a atenção são as formas de uso do aplicativo. 83% compartilham imagem, 82% falam por mensagem de áudio, 70% usam o WhatsApp para chamada de voz, 63% fazem videochamada pelo mensageiro. Mas é no stories que a principal surpresa está, 45% usam o mecanismo para ver o que as pessoas da agenda de contatos estão postando.

O aplicativo ganhou ainda mais relevância social por causa da pandemia. Com as pessoas mais em casa, a troca de mensagem com familiares, amigos e até mesmo colegas de trabalho, se intensificou. Até mesmo o uso do aplicativo para conversar com marcas chamou a atenção. 78% das pessoas usam o aplicativo para falar com empresas para vários serviços como tirar dúvidas, receber suporte técnico, receber promoções e até mesmo comprar produtos e serviços.

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box ouviu 2.046 brasileiros com mais de 16 anos entre 7 de 28 de julho, respeitando as proporções de sexo, idade, renda mensal e distribuição geográfica. Para ter acesso à pesquisa, acesse aqui.

Postar um comentário

0 Comentários