Contratação de 350 temporários para a transformação digital é inconstitucional, diz ANATI

Para a Associação Nacional dos Analistas em Tecnologia da Informação (ANATI), o anúncio feito pelo Ministério da Economia de contratação de temporários atuando nas funções dos Analistas em Tecnologia da Informação (ATI) além de precarizar a carreira, pode prejudicar nos resultados da transformação digital dos serviços públicos




A instituição entrou com uma representação para garantir que, ao invés da contratação de temporários, seja realizado concurso público para preenchimento dos 389 cargos em vacância de ATI do Ministério da Economia.

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público também mobilizou ações para impedir as contratações temporárias. Para o presidente da Frente, deputado Professor Israel Batista (PV-DF), "há um claro revanchismo ao funcionalismo público nesta gestão. A área de Tecnologia é fundamental e mostrou durante a pandemia que pode gerar grande economia aos cofres públicos. É preciso garantir servidores efetivos, e não apostar na solução momentânea de temporários".

A Confederação Nacional das Carreiras e Atividades Típicas de Estado(Conacate) também apoia o posicionamento da ANATI.

Postar um comentário

0 Comentários