“Gratidão a Brasília”, assim se despede Dom Sergio da Rocha

O Cardeal Dom Sergio, que esteve frente a Arquidiocese de Brasília por quase 9 anos, escreve uma carta de despedida para os irmãos e irmãs do Distrito Federal


GRATIDÃO A BRASÍLIA

Queridos irmãos e irmãs da Arquidiocese de Brasília,

Concluindo o período em que tive a graça de exercer o ministério episcopal como Arcebispo de Brasília, por nove anos, quero expressar, mais uma vez, ação de graças a Deus e profunda gratidão a todos os que têm me acompanhado com fraterna estima, orações e valiosa colaboração pastoral. Por tudo, dou graças a Deus, Por tudo, agradeço a querida Arquidiocese de Brasília. Em Brasília, me senti amado e acolhido numa grande família marcada pela convivência fraterna entre pessoas de diversas origens. Muito obrigado pelas inúmeras vezes em que fui acolhido com tanta generosidade.

Agradeço muito a Deus por esses anos de trabalho, em meio a tantos desafios pastorais. Tive a graça de ver o crescimento e a vitalidade da Igreja de Brasília em inúmeras ocasiões, nas celebrações e atividades pastorais. Nada foi realizado sem a graça de Deus e a colaboração dedicada e generosa de tantas pessoas que atuam nas paróquias, comunidades religiosas, pastorais, movimentos e organismos eclesiais, às quais muito agradeço, bem como na Cúria Arquidiocesana, Tribunal Eclesiástico, Seminários, Casa do Clero e demais instituições religiosas.

Gostaria de ter feito muito mais pela Igreja, em Brasília, e ter servido melhor. Peço perdão por não conseguir dar toda a atenção merecida por que cada um e pelas diferentes realidades de Brasília.

Há muito ainda a fazer para realizar a missão de “evangelizar a todos, com novo ardor missionário, nos diversos espaços do Distrito Federal”. Por isso, permaneçam unidos, sendo sempre mais Igreja missionária, misericordiosa e acolhedora, como temos procurado viver, em comunhão com o Papa Francisco. Durante estes nove anos, pude ressaltar em inúmeras ocasiões três palavras que nortearam o nosso trabalho: participação, comunhão e missão. Procuramos promover, o mais possível, a participação de todos, a união entre todos e o espírito missionário.

Por um desígnio da Divina Providência, pudemos celebrar, com alegria e grande participação do clero e dos fiéis, o Ano Jubilar durante o sexagésimo ano de criação da Arquidiocese e não após ter sido completado os 60 anos, o que não seria possível neste período difícil de pandemia. Continuemos a louvar a Deus pela história bonita da Igreja em Brasília, que tem em nossa bela Catedral a sua expressão visível que a todos encanta.

Agradeço a todos os irmãos e irmãs que têm me acompanhado com suas orações, com sua fraterna estima e com a valiosa colaboração pastoral, sem os quais eu não teria vivido o meu ministério episcopal. Minha gratidão imensa aos queridos irmãos e amigos Bispos auxiliares, D. José Aparecido e D. Marcony, aos quais muito devo; ao bispo emérito Dom Terra, ao Sr. Arcebispo emérito Cardeal Dom Falcão, que tem sido para mim, pai e irmão, aos padres e diáconos, aos religiosos e religiosas, aos seminaristas, aos fiéis leigos e leigas, uma multidão de irmãos que colaboram de modo admirável na missão da Igreja. Agradeço, de modo especial, a todos os que colaboraram comigo assumindo funções arquidiocesanas, sempre muito exigentes, saudando o nosso vigário geral Mons. Jeová Elias, bispo eleito de Goiás. Estendo este agradecimento ao Sr. Núncio Apostólico, Dom Giovanni D’Aniello e aos seus colaboradores na Nunciatura Apostólica; ao Sr. Cardeal Dom Damasceno e aos Srs. Bispos do Regional Centro-Oeste. Agradeço ainda a atenção recebida das autoridades civis ao longo destes anos. Por tudo, muito obrigado a todos!

Rezem por mim e pela Igreja de São Salvador da Bahia. Estejam certos que estarão sempre no meu coração e nas minhas orações. Suplico as bênçãos de Deus para todos, pela intercessão de nossa Padroeira, Nossa Senhora Aparecida. Amém!


                                                                                                  Brasília, 30 de maio de 2020.

Cardeal Dom Sergio da Rocha

Postar um comentário

0 Comentários