Últimas

%23BrasíliadeTodosNós

Artigo: E que tal eleger um síndico?

07/01/2018

/ por Paulo Melo
Iram Saraiva


On­de im­pe­ra a im­pu­ni­da­de, o cri­mi­no­so es­ta­be­le­ce re­si­dên­cia



Ei­ta Re­pú­bli­ca sem sor­te é es­ta nos­sa. Des­de a sua pro­cla­ma­ção é es­se Deus nos acu­da. Ra­rís­si­mos fo­ram os pre­si­den­tes que não dei­xa­ram uma tris­te me­mó­ria. Há sem­pre uma vo­ca­ção pa­ra o gol­pe, pa­ra a en­ga­na­ção, que nun­ca vi. De ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca à cor­rup­ção já ou­ve de tu­do, e, mes­mo as­sim, as ge­ra­ções vêm aguen­tan­do, nem sei co­mo.

En­tra go­ver­no, sai go­ver­no, e o lo­do só au­men­ta. Nos­so po­vo é de uma pa­ci­ên­cia inex­pli­cá­vel. Não sai ne­nhum ti­ri­nho pa­ra o ar pa­ra ver se a ban­di­da­gem as­sus­ta. No má­xi­mo, a gen­te faz uma pas­se­a­ta no fi­nal de se­ma­na, cheia de fai­xas com di­ze­res “Fo­ra não sei o quê” e se­gun­da-fei­ra já es­tá tu­do de bom ta­ma­nho, na­que­le dia a dia de re­cla­ma­ções pe­lo su­ca­te­a­men­to da sa­ú­de, da edu­ca­ção, da pre­vi­dên­cia e de­mais ar­re­do­res que afe­tam a vi­da de ca­da um.

Até que não ser um po­vo be­li­co­so tem su­as van­ta­gens, mas tam­bém exa­ge­rar na pas­si­vi­da­de em na­da con­tri­bui pa­ra so­lu­ci­o­nar al­gu­ma coi­sa. Exa­ta­men­te por ser­mos na­ção or­dei­ra, cor­da­ta e con­tem­po­ri­za­do­ra é que quem as­su­me o po­der não se sen­te obri­ga­do ao bom exer­cí­cio das fun­ções pú­bli­cas. On­de im­pe­ra a im­pu­ni­da­de, o cri­mi­no­so es­ta­be­le­ce re­si­dên­cia.

Te­nho in­sis­ten­te­men­te cul­pa­do os sis­te­mas po­lí­ti­co e de go­ver­no pe­los mal­fei­tos em ge­ral e não pou­po de jei­to ne­nhum os la­drões que aden­tram os po­de­res, mas sou obri­ga­do a re­co­nhe­cer que tu­do tem prin­cí­pio e meio no pre­si­den­ci­a­lis­mo. Ele dá asas à cor­rup­ção que voa so­bre Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ci­á­rio, com o agra­van­te de ser do­en­ça crô­ni­ca.

So­nhei, na ma­dru­ga­da pas­sa­da, que ha­ví­a­mos es­co­lhi­do um sín­di­co pa­ra su­ce­der Te­mer, aque­le cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta que se per­deu ao apli­car a Cons­ti­tu­i­ção, so­bre a qual é dou­tri­na­dor – ­já não en­ten­do mais na­da do que achei que hou­ves­se apren­di­do na tra­di­cio­nal es­co­la de Di­rei­to da Rua 20.

Ago­ra com­pre­en­do o so­nho. Sim, um sín­di­co, por­que ele tra­ba­lha pa­ra ze­lar pe­los in­te­res­ses de to­dos se­guin­do fi­el­men­te a pla­ni­lha de cre­di­to e dé­bi­to e to­do mês de­mons­tra, en­tre­gan­do a ca­da um, o de­ta­lha­men­to dos ca­mi­nhos per­cor­ri­dos pe­lo di­nhei­ro, mas, an­tes, ca­mi­nha pe­los cor­re­do­res e pá­tios do pré­dio pa­ra sa­ber on­de os re­cur­sos pre­ci­sam ser apli­ca­dos no be­ne­fí­cio ge­ral.

PS: Car­los Hei­tor Cony foi. Fi­cou o es­pa­ço que nin­guém ocu­pa.

Iram Sa­rai­va é mi­nis­tro emé­ri­to do Tri­bu­nal de Con­tas da Uni­ão.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Não Perca
© direitos reservados
feito com por Brasília de Todos Nós