Últimas

%23BrasíliadeTodosNós

Palavra de pastor: A Vinha do Senhor

08/10/2017

/ por Paulo Melo
*Dom Sergio da Rocha

A Liturgia da Palavra destaca a figura da “vinha”, frequentemente utilizada na Bíblia. O Profeta Isaías apresenta o cântico da vinha; o Salmo 80 refere-se à vinha plantada por Deus e Mateus relata a parábola dos vinhateiros maus

Segundo Isaías, da vinha plantada com cuidado e carinho, esperava-se que produzisse uvas boas, mas produziu apenas “uvas selvagens”. Ele mesmo explica o seu significado: “a vinha do Senhor é a casa de Israel e o povo de Judá, a sua dileta plantação”. As uvas a que se refere também têm a sua explicação dada pelo Profeta: “esperava deles frutos de justiça”, “esperava obras de bondade”; ao invés disso, produziu a “injustiça” e “iniquidade”.

No Evangelho, Jesus fala de um “proprietário” que “plantou uma vinha” e dela cuidou e protegeu, entregando-a a vinhateiros, esperando receber os frutos no tempo da colheita. Contudo, os vinhateiros a quem o proprietário tinha arrendado a sua vinha, ao invés de entregarem os frutos, maltrataram, apedrejaram e mataram os que foram por ele enviados, inclusive, o seu filho. A parábola se conclui com duas grandes afirmações mostrando as consequências do que estava acontecendo: a) o filho rejeitado e morto, figura de Jesus Cristo, “a pedra que os construtores rejeitaram, tornou-se a pedra angular”; b) “o reino será entregue a um povo que produzirá frutos”, referindo-se ao Reino de Deus anunciado e acolhido pelo novo Povo de Deus. Somos nós a videira que o Senhor tem plantado e cercado de amor e proteção, esperando colher os frutos no tempo certo. Na Carta aos Filipenses, São Paulo também nos apresenta o que Deus espera de nós. Qual tem sido a nossa resposta ao amor que Deus tem por nós? Quais os frutos que temos produzido? Como tem sido a nossa acolhida a Jesus Cristo e ao Reino? 

No próximo dia 12, estaremos celebrando a solenidade de Nossa Senhora Aparecida, nossa Padroeira, encerrando o Ano Nacional Mariano. Participe da missa às 17 h, na Esplanada dos Ministérios, e da tradicional procissão, logo a seguir. Convide os seus familiares e amigos!

No dia 15 de outubro, na Basílica de São Pedro, o Papa Francisco estará celebrando a canonização dos Mártires do Rio Grande do Norte. Em 1645, foram martirizados em Cunhaú e Uruaçu, ambas no interior do Rio Grande do Norte, os padres André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, o leigo Mateus Moreira e seus 27 companheiros, durante a celebração da missa. Eles foram beatificados pelo Papa João Paulo II no dia 05 de março de 2000. Nós bendizemos a Deus por esses Santos Mártires brasileiros, suplicando a sua intercessão e procurando seguir os exemplos que eles nos deixaram!

*Dom Sergio da Rocha é Cardeal Arcebispo Metropolitano de Brasília, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), membro do Conselho da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos (Vaticano) e da Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL).

Nenhum comentário

Postar um comentário

Não Perca
© direitos reservados
feito com por Brasília de Todos Nós