Últimas

%23BrasíliadeTodosNós

Palavra de pastor: Chamados a dizer “Sim”

01/10/2017

/ por Paulo Melo
*Dom Sergio da Rocha

Estamos iniciando o mês dedicado especialmente às missões, após ter vivenciado o “mês da Bíblia”, o que nos faz recordar a relação entre a Palavra de Deus e a Missão. Quem acolhe a Palavra de Deus é chamado a compartilhar com todos a graça recebida, através do anúncio e do testemunho na vida cotidiana, como verdadeiro missionário


O Evangelho proclamado nos convida a dizer “sim” ao Senhor que nos chama para colaborar na missão evangelizadora da Igreja. 

Para entender bem a parábola dos dois filhos, convidados pelo pai a trabalhar na vinha (Mt 21,28-32), é preciso ter presente como “os sumos sacerdotes e anciãos do povo” pensavam a salvação. Segundo eles, os que pertenciam ao povo eleito seriam merecedores da salvação enquanto que os demais, os pagãos, “os cobradores de impostos e as prostitutas”, citados no Evangelho, estavam excluídos do Reino de Deus. Jesus rejeita este modo de pensar, contando esta parábola justamente aos sacerdotes e anciãos do povo. A salvação é oferecida a todos. Todos podem ser admitidos no Reino de Deus. Entretanto, Deus conta com a nossa resposta. O “sim” que Deus quer não é algo que se reduz a palavras ou sentimentos. O “sim” a Deus se expressa em atitudes concretas. Pressupõe a fé e a conversão sincera. Por isso, Jesus afirma aos “sumos sacerdotes e aos anciãos do povo” que “os cobradores de impostos e as prostitutas” os “precedem no reino de Deus”, pois se arrependeram e “creram nele”.

Desde o nosso batismo e em muitas outras ocasiões, nós também respondemos “sim” a Deus. Contudo, devemos estar atentos para não descuidar do “sim” dado e acabar dizendo, de fato, um “não” a Deus, pelo modo de viver. É preciso também cuidado para não se achar melhor do que os outros ou para não se julgar merecedor da salvação mais do que os outros. Além disso, o “sim” exige fidelidade ou ao menos esforço sincero para ser o mais fiel e coerente possível. Numa sociedade em que falta fidelidade à palavra dada ou coerência com os compromissos assumidos, é grande o risco de se repetir a atitude do filho que não cumpre o “sim” dado ao Pai. Na Carta aos Filipenses, São Paulo recorda o testemunho humilde e fiel do próprio Cristo que se fez obediente ao Pai até a morte e morte de cruz (Fl 2,8).

Estamos nos aproximando da festa de Nossa Senhora Aparecida, ocasião especial para testemunhar que somos povo de Deus que caminha unido, sob a proteção materna de Maria. Por isso, vamos todos reservar o dia 12 de outubro para participar da Festa da Padroeira. No calendário das paróquias, pastorais e movimentos, estejam liberadas a tarde e a noite do dia da Padroeira para que todos possam participar da missa e da procissão na Esplanada dos Ministérios, encerrando juntos o Ano Mariano.

*Dom Sergio da Rocha é Cardeal Arcebispo Metropolitano de Brasília, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), membro do Conselho da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos (Vaticano) e da Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL).

Nenhum comentário

Postar um comentário

Não Perca
© direitos reservados
feito com por Brasília de Todos Nós