Últimas

%23BrasíliadeTodosNós

Moradores de Ceilândia lidam com racionamento sem caixas d’água

12/09/2017

/ por Paulo Melo
Para driblar problema, eles improvisam com baldes, panelas e outros recipientes; decreto da Caesb obriga instalação de reservatório, mas não há fiscalização

O Distrito Federal está em racionamento de água desde janeiro e, com isso, aumentou a necessidade do uso consciente da água. Mas alguns moradores da QNM 24 da Ceilândia Norte lidam com o drama do racionamento sem contar com o reservatório de água, como é o caso do motorista Ricardo Pereira, 43 anos. “Antes do racionamento, a gente nem percebia que não tinha caixa d’água, sempre tinha água nas torneiras, só faltava se tivesse algum problema, aí a Caesb desligava. Agora nos dias de racionamento, a gente só tem se encher os baldes.”

Na QNM 26, a situação não é diferente. Três famílias dividem um lote que não possui caixa d’água. A dona de casa Edileusa Januário, de 46 anos, se desdobra do jeito que dá para passar pelos dias de racionamento, principalmente em época de seca. “Nós tentamos deixar as coisas mais organizadas o possível nos dias que tem água porque são muitas pessoas para utilizar a água que armazenamos nos baldes nos dias de racionamento”, afirma Edileusa.

O projeto de instalar uma caixa d’água existe, mas por falta de dinheiro teve de ser adiado. “Meu marido já estava fazendo o orçamento e juntando o dinheiro pra instalar a caixa, mas foi demitido do emprego e tivemos que adiar”, comenta Edileusa.

Baldes e bacias que Dona Edileusa utiliza pra armazenar água pros dias de racionamento.

O decreto nº 26.590, de 23 de fevereiro de 2006, que regulamenta a Lei nº 442/93, estabelece no artigo 66 que todo imóvel com ligação de água deverá ser dotado de reservatório com capacidade para um dia de consumo, mas não especifica que tipo de reservatório. O engenheiro civil da Caesb Rafael de Almeira Filho afirma que, a partir da criação do decreto, a entidade só instala hidrômetro em residências que possuem caixa d’água. “A lei fala da obrigatoriedade de possuir um reservatório, mas não há multa ou penalização para quem não possui”, afirma.

As casas que possuem hidrômetro, mas não contam com caixa d’água tiveram o aparelho instalado antes da criação do decreto. “Para instalar mais de um hidrômetro em uma mesma residência, é necessário que haja uma caixa d’água para cada hidrômetro”, destaca Rafael. A população pode reservar água em qualquer tipo de recipiente, como baldes e bacias, porém a Caesb não faz instalação de hidrômetro e não se responsabiliza pela preservação e manutenção da qualidade da água nestes casos.

Conscientização

Mesmo os moradores que possuem caixa d’água buscam alternativas para lidar com o racionamento da forma mais econômica e consciente possível. Na casa do funcionário da Novacap, Geraldo Pereira de 61 anos, vivem quatro pessoas e eles possuem apenas uma caixa d’água de mil litros, o quê não é suficiente para um dia inteiro sem água. Mas para não ter que arcar com as despesas da instalação de outra caixa d’água, Geraldo fez instalações para reaproveitar a água da máquina de lavar e do tanque para usar na descargas dos vasos e lavar o quintal. Além disso, instalou calhas para captar a água nos tempos de chuva. “Nós já moramos em casa sem caixa d’água e mesmo não tendo racionamento na época, sabemos da dificuldade que é. Então buscamos reaproveitar e armazenar a água da melhor forma possível e fazer o uso consciente da água”, completa Geraldo.

Por Gabriel Cornélio.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Não Perca
© direitos reservados
feito com por Brasília de Todos Nós